Logomarca NCA Comunicação

Jul09

Decisão Monocrática.

Escrito por Edson Vidal Categorias // Flagrantes do mundo jurídico Lidos 91

Tudo bem sei que não deveria em pleno sábado abordar assunto árido, porém não quero deixar passar a oportunidade. Vou procurar didaticamente explicar o que seja “decisão monocrática” para a compreensão do leitor leigo.

O Juiz quando atua no Primeiro Grau de Jurisdição (sozinho na Comarca ou com outros Juízes em Varas diferentes) têm jurisdição plena para decidir a causa de sua competência isoladamente. Esta decisão quando analisa o “mérito” dá-se o nome de sentença ou decisão singular. Todavia, quando Julgador (desembargador e Juiz de Direito Substituto) atua no Segundo Grau de Jurisdição (Tribunal de Justiça ou Tribunal Regional Federal), em regra, ele só decide a causa em grau de recurso interposto de sentença, quando é sorteado Relator, junto com seus demais pares.

A decisão “colegiada” tem aí o nome de “acórdão”. A exceção fica por conta de decisão unilateral do Relator, chamada “decisão monocrática”; ou seja, quando o julgador deixa de levar o processo para ser julgado no Colegiado de Juízes para, isoladamente, ele mesmo decidir o mérito do processo.

Como, isto pode ocorrer? No Tribunal o Julgador pode decidir sozinho? Pode quando o tema a ser dirimido estiver pacificado no âmbito do próprio Tribunal. Exemplo? O STF decidiu na sua composição máxima (composta dos seus onze Ministros) que cabe prisão para cumprimento de pena, quando o réu condenado pelo Juiz (Primeiro Grau de Jurisdição) tiver confirmada a sentença por um Tribunal (Segundo Grau de Jurisdição), sem a ocorrência do trânsito em julgado da decisão (pois a mesma ainda pode ser mantida ou reformada por Tribunal Superior).

Este entendimento foi por maioria de votos (6x5), mas por ter sido julgado por todos os onze Ministros da Corte, diz-se que a matéria está pacificada. Assim, se um réu condenado por sentença de Juiz tiver seu recurso mantido por um Tribunal, cabe-lhe cumprir de imediato a pena imposta, independentemente do recurso que couber aos Tribunais Superiores. É o caso do Lula. Se houver recurso da defesa questionando a ilegalidade desta prisão a pretexto de faltar ainda o “trânsito em julgado” da decisão, o relator do processo pode decidir a sorte deste recurso “monocraticamente”, por se tratar de tema pacificado.

Nestes casos o Relator busca decidir de plano e pôr termo ao recurso, para desafogar a pauta de julgamento do Colegiado. De igual sorte, cabe, também, “julgamento monocrático” quando a matéria estiver pacificada por Sumula Vinculante ditada por Tribunal Superior. Igual tema não pode ter solução diferenciada nem por via do habeas corpus.

Portanto, sobre a matéria em comento, nenhum Ministro do STF pode decidir monocraticamente de modo contrário ao que o Plenário daquela Corte, decidiu. Nem àqueles Ministros que foram vencidos no julgamento.

Decisão monocrática, de qualquer deles, contra decisão majoritária do seu Tribunal traduz ato de desonestidade e de reprovável censura funcional. No entanto, parece que alguns Ministros da Suprema Corte teimam em querer afrontar a decisão Colegiada, pois não cansam de insistir que a prisão em questão é inconstitucional.

Ora, eles que são os “intérpretes da Constituição”, majoritariamente, firmaram entendimento e pacificaram a licitude do cumprimento de pena antes do trânsito em julgado da decisão condenatória. Logo, não cabe a nenhum Ministro do STF decidir, nem em conjunto e muito menos “monocraticamente”, de maneira contrária ao entendimento vigente.

Salvo, quando o tema estiver novamente pautado pelo Pleno daquela Corte e caso venha a ser modificado. Nem fica bem criticar publicamente a decisão majoritária, como tem feito o Gilmar e outros que foram vencidos, por denotar reprovável intenção de querer modificar o entendimento para favorecer conhecidos malfeitores...

“Magistrado que honra a Toga jamais decide monocraticamente se a questão jurídica não estiver pacificada pelo seu Tribunal ou Súmula Vinculante. Muito menos critica e nem afronta publicamente questões do qual foi vencido, por ser conduta reprovável e antiética!”
Edson Vidal Pinto

blog comments powered by Disqus

Blog da Bebel

InPAR realiza a terceira edição do Dia do Desafio Ambiental

No dia 27 de outubro, ocorre a 3ª edição do Dia do Desafio Ambiental

Leia aqui

Turma do Martinus celebra 40 anos de formatura

Os alunos da turma de 1978 do 2º Grau (então Científico) do Colégio Martinus, de Curitiba, vão realizar dois encontros em comemoração aos 40 anos de formatura.

Leia aqui

Ballet de Moscou no gelo faz apresentações em Curitiba

Mágico, sublime, majestoso! Imperdível! Apresentações ocorrem em uma pista de gelo de verdade com dimensão de aproximadamente 120m²

Leia aqui

Flagrantes do Mundo Jurídico

Globo da Morte.

Ah! Como era gostoso ver a lona do circo sendo armado, sentir o cheiro do cepilho sendo espalhado no picadeiro e ouvir pelo alto falante o locutor gritar: 
- O circo chegou! E o palhaço o que é? Ladrão de mulher!

Leia aqui

Aumento ou Reposição Salarial?

Meu primo João Carlos, me telefonou ontem pela manhã externando toda a sua indignação com o aumento concedido à Magistratura em razão do estrondoso efeito “cascata” que ele proporcionará para todo o funcionalismo público do país.

Leia aqui

A Farmácia Mudou de Endereço!

Foi na consulta que tive com competente neurocirurgião Dr. Luiz Ernâni Madalosso, meu amigo e irmão, que ouvi dele uma frase que retrata com fidelidade a saúde de todo o ser humano: “Existem duas espécies de pessoas: as que têm problemas de coluna e as que ainda vão ter um dia”.

Leia aqui

No balcão sem frescura

Italianos e o Churrasco...

Quando criança, íamos passar o final de semana na chácara em São Luiz do Purunã. Me recordo de acordar aos domingos com o sino da igreja soando de maneira extremamente delicada, é algo que até hoje tem um significado

Leia aqui

Festival de Petisco em bares de Curitiba

Os amantes das comidas típicas de bares assim como eu, poderão se deliciar com o 1º Festival de Petisco de Curitiba

Leia aqui

“Típica dos botecos”, carne de onça vira patrimônio de Curitiba

Votação unânime na Câmara de Vereadores, nesta segunda-feira (5), promoveu a carne de onça – “uma comida típica dos botecos” – a patrimônio cultural imaterial de Curitiba (005.00096.2016)

Leia aqui

Mamãe, eu quero!

Para a alegria das crianças, já é Natal!

O Natal Curitibano está cheio de magia e até o final do ano tem muitas atrações para os pequenos. Além do Papai Noel, vai ter Galinha Pintadinha, princesas da Disney e outras surpresas.

Leia aqui

Halloween na Carollinha e doces assustadores na Casa da Bruxa

Hoje a dica é conferir o Halloween da Carollinha e experimentar os doces horripilantes da Casa da Bruxa

Leia aqui

Feira Cute Cute acontece de 25 a 28 de outubro

São 60 expositores além de uma programação cultural

Leia aqui

E-ticket

Viajar de carro no Brasil

Cada vez mais as road trips são um novo segmento de destaque entre os Brasileiros. O resgate de viajar de carro é poder explorar e conhecer sem pressa os encantos de cada região

Leia aqui

Barreado fora de Morretes!!

Com esses dias frios, nada como comer bem. A dica de hoje é uma tradicional receita do litoral Paranaense: o barreado. Mas nem só em Morretes, podemos degustar essa maravilha e por isso mesmo listamos algumas opções locais imperdíveis

Leia aqui

Chope nas alturas

Sim, a notícia mais comentada da semana no setor de Turismo, depois das Olimpíadas, foi a divulgação da companhia aérea holandesa KLM que a partir de agosto, passará a servir chope de barril em seus voos

Leia aqui

Aplausos

Curitiba recebe exposição fotográfica de Marina Klink

Registros da Antártica representam o olhar significativo da fotógrafa sobre as riquezas naturais do planeta

Leia aqui

Caixa Cultural Curitiba apresenta o samba de Anaí Rosa

Cantora paulista vai se apresentar com músicos de Curitiba

Leia aqui

Clássicos Positivo traz Orquestra de Câmara de Viena a Curitiba

Com regência e piano de Stefan Vadar, orquestra faz apresentação única no Teatro Positivo, dia 5 de novembro

Leia aqui