Logomarca NCA Comunicação

Jul13

Enfim, Condenado!

Escrito por Edson Vidal Categorias // Flagrantes do mundo jurídico Lidos 58

Hoje, 13 de julho de 2.017, quinta feira.

Como sempre os grandes criminosos da História caem nas garras da Lei pela prática de delitos aparentemente ridículos. Sim, para quem recebeu milhões de dólares de propina, distribuiu dinheiro do BNDES a rodo, gerenciou falcatruas e deu palestras invisíveis pelo mundo, sofrer reprimenda penal apenas pelo "recebimento" de um imóvel "tríplex" na praia de Guarujá - SP é o fim da picada! Tal qual o grande Al Capone que matou, extorquiu, contrabandeou bebidas, organizou o tráfico de mulheres, disseminou as drogas e foi condenado pelas apreensões de livros contábeis de suas atividades ilícitas.

Este chefiava um sindicato de gângsteres e os livros serviam para prestar contas dos lucros para seus sócios. Condenado, foi de imediato implantado na temida Alcatraz, penitenciária federal de segurança máxima, construída em uma pequena ilha defronte à cidade de São Francisco, no Estado da Califórnia (USA). Já por aqui, no reino que só tem rei, o grotesco Lula recebeu a pena de nove anos e 06 meses de reclusão e deverá permanecer em liberdade até o julgamento de eventual recurso que desaguará no STF. Dai em diante o que vai acontecer será um mistério que nem os deuses do Olimpo se arriscam em dar palpites.

O que se espera é que no final pelo menos o Juiz Moro não seja condenado pela ousadia e que não venha ser punido em uma cela do Presídio de Piraquara! Por enquanto o bilionário torneiro mecânico continuará dando entrevistas, passando-se por vítima e cada dia mais com cara de vão de cerca, ou seja, mais alienado do que nunca!

Na sentença de 218 laudas pela primeira vez neste país um ex-presidente da República foi condenado por corrupção, claro repito até o STF não entender de modo contrário, o que não se duvida. Olhando os acontecimentos diários parece que vivemos num mundo irreal, de ficção, onde o bem e o mal estão se digladiando em nossa frente e estamos atônitos esperando inerte a sorte do embate.

Sabemos que o Lula não está sozinho, pois tem ao seu lado um verdadeiro sindicato de inconsequentes e baderneiros, ávidos para marcharem contra a Ordem Constituída e atentarem contra o princípio de liberdade que é a própria essência da democracia. O povo desarmado tem apenas a mobilização popular de protestar nas ruas e levantar a voz clamando por uma moralidade pública que há muitos anos se mudou do país.

Sempre pensei pelas dezenas de anos lidando com a legislação penal, que pelas seguidas tentativas do nominado condenado ter procurado dificultar as ações da Justiça que estas seriam razões suficientes para que a pena de prisão fosse decretada concomitante com a condenação, pouco importando que ele tivesse exercido o cargo de Presidente da República. Não foi o que entendeu o Juiz.

A condenação não terá grande repercussão para movimentar a massa de sectários, diferentemente da prisão. Esta por estar madura seria juridicamente adequada até para ver se Estado Brasileiro ainda tem o comando do País, ou se dobrou os joelhos por ter sucumbido às hostes do mal. Faltou tutano e sobrou exagerada e indevida prudência!

"A duração da pena e o regime prisional depende de fatores que vai da pena prevista até as condições pessoais do condenado. Tendo este tentado contra a Administração da Justiça por dificultar o regular trâmite do processo, cabe-lhe arcar com a pior consequência: a prisão! Esta no caso deveria ser concomitante a condenação e não condicionada ao julgamento de eventual recurso".
Edson Vidal Pinto

blog comments powered by Disqus

Flagrantes do Mundo Jurídico

No balcão sem frescura

Mamãe, eu quero!

E-ticket

Aplausos